quinta-feira, 29 de junho de 2017

Vergonhosa nota do Vaticano sobre o caso do Bebê condenado a morte



Charlie é um Bebê britânico de apenas 9 meses que nasceu com uma doença rara e que após longas batalhas judiciais teve sua sentença de morte decretada. Os pais de Charlie desesperados sem ter a quem mais recorrer enviaram um filial pedido ao Vaticano para  que ajudassem a manter a Criança viva, a resposta da Pontifícia Academia para Vida foi lamentável, uma verdadeira apologia a eutanásia, na carta assinada pelo seu prefeito o Arcebispo Vincenzo Paglia praticamente diz para os pais aceitarem a sentença. O interessante é que o Arcebispo é um progressista conhecido e foi responsável pela profanação na Catedral da Diocese de Terni-Narni-Amelia onde ele ordenou a pintura de cenas homoeróticas. 

Confira a nota abaixo: 

"O caso do bebê, Charlie Gard e seus pais, significou tanto dor como esperança para todos nós. Nos sentimos perto dele, a sua mãe, seu pai e todos aqueles que o cuidaram e lutaram juntos com ele até agora. Para eles, e para aqueles que são chamados a decidir o seu futuro, elevamos ao Senhor da Vida nossas orações, sabendo que "no Senhor, nosso trabalho não será em vão" (ICor 15,58)

A Conferência Episcopal da Inglaterra e do País de Gales, emitiu hoje uma declaração que reconhece acima de tudo a complexidade da situação, a dor dos pais e os esforços de tantos para determinar o que é melhor para Charlie. A declaração dos Bispos também reafirma que 'nunca devemos agir com a intenção deliberada de acabar com uma vida humana, incluindo a remoção de nutrição e hidratação, para que a morte seja alcançada', mas que 'nós, às vezes, devemos reconhecer as limitações do que pode ser feito, enquanto atuam sempre humanamente ao serviço da pessoa doente até o momento de sua morte natural'.

A questão adequada a ser levantada neste e em qualquer outro caso infelizmente é semelhante a esta: quais são os melhores interesses do paciente? Devemos fazer o que promove a saúde do paciente, mas devemos aceitar os limites da medicina e, como indicado no parágrafo 65 da Encíclica Evangelium Vitae, 'evite procedimentos médicos agressivos que sejam desproporcionais em relação aos resultados esperados ou excessivamente onerosos para o paciente ou família. Do mesmo modo, os desejos dos pais devem ser ouvidos e respeitados, mas também devem ser ajudados a entender a dificuldade única de sua situação e não devem ser responsabilizados apenas por suas decisões. Se a relação entre o médico e o paciente - ou os pais, no caso do Charlie - é interferida, tudo se torna mais difícil e a ação legal se torna um último recurso.

Caro Charlie, queridos pais Chris Gard e Connie Yates, estamos rezando por você e com você.

+Vincenzo Paglia - Presidente

Cidade do Vaticano, 28 de junho de 2017" [1]

Que Deus possa cuidar e dar conforto a toda família!


Fontes: 

[1] http://www.academiavita.org/_articles/2019945661comunication_case_charlie_gard.php

[2] Escolástica da Depressão

22 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Que absurdo
    Isso não é ser cristão

    ResponderExcluir
  3. A decisão da Igreja através do seu órgão competente, embora dê a impressão de indiferença, visto que o desejo de todos é que a criança pudesse crescer e viver feliz junto a sua família. Mas o parecer da medicina e as orientações médicas e das demais especialidades e obviamente a reflexão bio-ética estabeleceram as normas previstas nos documentos da Igreja para normatizar as questões como a dessa querida criança.Encíclica Evangelium Vitae nº65, " Devemos fazer o que promove a saúde do paciente, mas devemos aceitar os limites da medicina e, como indicado no nesse número da Encíclica. Procedimentos médicos agressivos que sejam desproporcionais em relação aos resultados esperados ou excessivamente onerosos para o paciente ou família. Do mesmo modo, os desejos dos pais devem ser ouvidos e respeitados, mas também devem ser ajudados a entender a dificuldade única de sua situação e não devem ser responsabilizados apenas por suas decisões. Se a relação entre o médico e o paciente - ou os pais, no caso do Charlie - é interferida, tudo se torna mais difícil e a ação legal se torna um último recurso".

    ResponderExcluir
  4. O problema é que os pais conseguiram doações no valor de mais de um milhão de libras paralevar a criança aos EUA, onde HÁ SIM um tratamento alternativo! O Governo Britânico não quer permitir! Fica fácil usar a Encíclica como desculpa omitindo essa parte dos fatos! !!

    ResponderExcluir
  5. O problema é que os pais conseguiram doações no valor de mais de um milhão de libras paralevar a criança aos EUA, onde HÁ SIM um tratamento alternativo! O Governo Britânico não quer permitir! Fica fácil usar a Encíclica como desculpa omitindo essa parte dos fatos! !!

    ResponderExcluir
  6. Bispo ou não se é progressista não presta pois progressismo só defende o que não presta! Aliás muito anti-cristã essa resposta!

    ResponderExcluir
  7. No mínimo estranha essa resposta do Vaticano.

    ResponderExcluir
  8. Desgraçados progressistas. Defendendo a autoridade ilícita do homem sobre a vida alheia!

    ResponderExcluir
  9. Os pais só queriam levar o filho pra outro país e tentar um novo tratamento, não entra em questão se a forma como ele era tratado no hospital de Londres era correta ou não, se deveria continuar ou não. Ainda que fosse para o bebê permanecer em Londres e continuar no mesmo estado, isso deveria ser decidido APENAS pelos pais e mais ninguém, é o filho DELES, é a vida DELES, eles foram impedidos de levar o bebê para outro país e tentar um novo tratamento, foram obrigados a aceitar o assassinato do próprio filho, isso é domoníaco!

    ResponderExcluir
  10. Sem falar que esse tratamento alternativo pode ser um dia considerado o protocolo padrão se tiver chances de ser testado e ser obtido sucesso. Ou seja, até pelo bem da evolução da ciência e da medicina, é óbvio que os pais deveriam ter o direito de tentar outro tratamento.

    ResponderExcluir
  11. Essa tradução trai a nota original, publicada aqui: http://en.radiovaticana.va/news/2017/06/29/vaticans_academy_for_life_issues_statement_on_charlie_gard/1322138

    O último parágrafo, na infeliz tradução para o português, omite uma parte importante. Uma tradução mais próxima do texto publicado pela radiovaticana seria:

    “[...] Se a relação entre médico e paciente (ou pais, no caso de Charlie) sofre interferência, tudo se torna mais difícil e uma ação legal se torna um último recurso, com o risco que a acompanha de manipulação ideológica ou política, que deve sempre ser evitada, ou de sensasionalismo midiático, que pode ser tristemente superficial.”

    Em suma, o Arcebispo emitiu uma nota de solidariedade que demonstra o compromisso da Igreja com a verdade. Perdoem-me a ignorância, mas como se trata da nota de um arcebispo, não é um comunicado oficial da Santa Sé, embora ele seja presidente da Pontifícia Academia para a Vida. É uma nota cuja preocupação central é a Verdade e que convida a todos à reflexão, por isso, embora alguns queiram acusar o Arcebispo de relativismo, parece-me mais prudência.

    Rezemos!

    ResponderExcluir
  12. A nota oficial diz: Vaticano lamenta decisão de Tribunal Europeu no caso do bebé Charlie Gard. O Arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Academia Pontifícia para a Vida (Santa Sé), lançou um apelo em favor do respeito pela vontade dos pais, sublinhando que este caso “toca” as pessoas pela sua dimensão de “dor e de esperança”.
    “Não se pode nunca levar a cabo algum gesto que termine intencionalmente uma existência humana, incluindo a suspensão da alimentação e da hidratação”, assinalou o arcebispo italiano.
    Para este responsável, é necessário também ter noção dos “limites do que é possível fazer”, em termos médicos, num “serviço ao doente que deve prosseguir até à morte natural”.

    ResponderExcluir
  13. O Vaticano e seus progressistas poderiam ser mais claros e dizer a Igreja abomina e proibi a eutanásia. O direito a vida pretence a Deus e não ao Estado. Pronto.

    ResponderExcluir
  14. Quem assassinou JESUS foi o Império Romano que, tempos depois foi transformado no poderoso VATICANO ("A GRANDE BESTA") cheio de ouro e dinheiro e que representa o DIABO na Terra ... inclusive o Papa argentino Francisco disse recentemente que seu maior ídolo é SATANÁS !

    ResponderExcluir
  15. Essa fonte é mais confiável!
    http://istoe.com.br/em-meio-a-caso-do-bebe-charlie-papa-pede-defesa-da-vida/

    ResponderExcluir
  16. A vida deve ser mantida até a morte natural com hidratação e nutrição. E a tecnologia até o último suspiro e onde houver o melhor recurso deve ser o objetivo para todos para o alívio dá dor e conforto dá criança. Talmir Rodrigues

    ResponderExcluir
  17. A vida deve ser mantida até a morte natural com hidratação e nutrição. E a tecnologia até o último suspiro e onde houver o melhor recurso deve ser o objetivo para todos para o alívio dá dor e conforto dá criança. Talmir Rodrigues

    ResponderExcluir
  18. no segundo parágrafo o papa fala em cumprir a vontade do paciente em primeiro lugar.. como se fosse coisa normal.. a busca pelo prazer e fuga da dor não são princípios…

    DANE-SE a vontade do paciente! Nossa vontade não importa em absolutamente nada no campo moral!

    Se seu filho tem uma ferida na perna e esconde por medo do tratamento o que vc faz? ajuda seu filho a esconder a ferida ou o contraria e inicia o tratamento?

    esse exemplo do filho que esconde a ferida é usado por Santo Agostinho, parece que o papa não leu

    ResponderExcluir